domingo, janeiro 07, 2007

CatWalk Glamour

Era engraçado que se as pessoas se entregassem sem pudores ao vício do álcool depois se lembrassem das regalias que delas adquiriram... Ó Divina comédia, sonho um dia encontrar a personna que além de trolha de serviço, preste a melhor dedicação à arte d'Amore. Encontrei... Contudo, depois de várias horas de conversa, fiquei sem perceber um pequeníssimo detalhe, um pormenor sem importância, no fundo, uma subtileza, O que é que eu fiz?
A resposta foi dada ao longo de horas, resume-se a um... NADA!
Ai ai, isto das relações íntimas é tramado, é sabido que até certo ponto, todos andamos por aí enamorados, nem que seja por uma busca incessante de algo... por compatibilidade de feitios e coisas ditas do Cuore.
Mas nada de andar aí atarrachada ou mesmo encavalitada sem vida própria, como aquela gente demasiado obcecada com a variação da nota e a interpretação de um dueto amoroso... A la Celine Dion " Ó amorzinho é a nossa música e foi nesta data que demos aquele bejo e tal...", é pá, eu não sou assim, nunca fui assim... e dêm-me uma paulada se roçar isso... acho uma real seca, pois, posso ser saloia, mas não sou estúpida e andar a armar datazinhas especiais e momentos extremamente românticos, quando o que uma pessoa quer é dar uma sem rancor, nem dó nem piedade, mesmo que seja por um amor louco.
Ou pelo menos assim pensava eu antes de viajar pelo grande mundo da noite e descobrir cenas e afins, porque dedicava grande parte das minhas soirées de menina e moça a percorrer as cortes, com mestria dialéctica.
Pois, 'tá bem! Uma questão de luxúria, apenas isso.

2 comentários:

Anónimo disse...

Irra estava a ver que não voltava a Kat raivosa!

Revenge disse...

Eu não entendi nada, para variar